quinta-feira, 4 de dezembro de 2008

HISTÓRIA POLÍTICA E SOCIAL DOS YORUBÁS E OUTRAS TRIBOS

OS YORUBAS DA COSTA DE ESCRAVO DA ÁFRICA OCIDENTAL
CAPÍTULO INTRODUTÓRIO

A porção da costa africana Ocidental é ocupada pelos Yorubas situada dentro da metade oriental da Costa de Escravo. A extensão de mar ocupada por eles é menor do que a ocupada pelos Tsi. Os Yorubas realmente são pessoas que viviam no interior até o começo do século quando eles se moveram para o sul e colonizaram Lagos e o litoral adjacente.
O território habitado pelas tribos de Yoruba está no oeste de Dahomi, ao sul-oeste por Porto Novo e Appa, no sul pelo mar, no leste por Benin, e no norte pelas tribos maometanas do interior que recentemente foi conquistada e anexada à província de Yoruba de Ilorin, e pode ser dito agora que seu território se estende para o sul a aproximadamente 8º 30' de latitude norte. As agressões destas tribos maometanas começaram muito cedo no século presente, e não há nenhuma dúvida desta pressão do norte que fez o Yorubas moverem-se para o sul e colonizar o litoral.
O País de Yoruba inclui os seguintes estados no momento, ou unidades políticas:
(1) a colônia britânica de Lagos que cobre o mar, e fica entre o meridiano do Riacho de Ajarra e o Rio de Benin e absorveram os reinos nativos anteriores de Appa, Pokra, Badagry, Lagos, Palma, Lekki, Ala, hin, Ogbo, e Jakri;
(2) Ketu. Este é o estado ocidental. Fica a o oeste por Dahomi, no sul por Porto Novo, e no leste por Egba. Seus limites do norte são indefinidos.
(3) Egba. Fica ao leste de Ketu e ao sul-oeste de Yoruba. Sua capital é Abeokuta;
(4) Jebu. Este é o reino sul-oriental, e é dividido em duas províncias, Jebu Remo chamado e Ode de Jebu. Ode de Jebu tem para sua capital uma cidade do mesmo nome, o de Jebu Remo é chamado Offin. O rio Odo Omi é considerado o limite norte-ocidental de Jebu, e, pode ser dito que o território dos Jebus estende-se ao interior para uma distância de umas cinqüenta milhas da laguna.
(5) Tribos de Ekiti. Estas tribos formam uma confederação ao nordeste de Ode de Jebu.
(6) Ibadan. Fica ao norte de Ode de Jebu.
(7) Yoruba. Este reino, cuja capital é Oyo, fica para o norte de lbadan, e para o oeste suas tendências de limite vão para o sul e para dentro de umas vinte e cinco milhas de Abeokuta.
(8) Ijesa, Ilesa. Este estado é situado ao sul-leste de Yoruba.
(9) Ife, capital do mesmo nome, sul-oeste de Ijesa.
(10) Ondo. Este reino fica ao sul-leste de Ife.

Além disso, há vários estados pequenos, ou distritos municipais bastante independentes, consistindo uma cidade e algumas aldeias periféricas. O chefe é Egbado, Okeodan, Ado, Awori, e Igbessa todos ao sul de Egba. Os habitantes destes lugares são chamados de Egbados, ou Egbas Sulistas (Egba-odo, Egbas da costa).
Os habitantes de todos estes estados falam um idioma, o, Yoruba. Eles são chamados Nagos pelo francês, e pelo inglês é nomeado depois das divisões políticas deles, como Egbas, Ibadans, Jebus, e etc.
O sistema de laguna era notável e começavam a uma distância curta a oeste do Rio de Volta, na Costa do Ouro, estendendo-se ao longo do mar do território ocupado pelas tribos que falavam Yoruba, e dispõe de uma via fluvial contínua de Porto Novo para Benin. A extensão do continente em uma direção sul é típica do ocidente até a metade da Costa de Escravo, e que pode ser atribuído indubitavelmente à ação da Guiné atual, fechado com areia as aberturas que havia anteriormente na linha da costa. Em geral, o país está aberto e destituído de pedras. Jebu é densamente arborizado; Ao leste de Lagos a linha da costa velha parece ter sido quase emendada com as costas do norte do Kradu e lagunas de Lekki, e a água os conecta por via de Epi, enquanto ao oeste parece recuperar a linha em direção ao norte das lagunas de Oluge e Porto Novo. Só há um cruzamento na laguna estreita ou riacho chamado o Riacho de Ajarra que corre em uma curva convexa do Porto na laguna de Novo para o Okpara que são achadas pedras na terra; e aproximadamente vinte milhas para o oeste, parece ter tido uma grande baía lá, o limite do norte do qual era o Ko, ou Grande Pântano, de Dahomi, trinta e cinco milhas do litoral presente. A linha pontilhada no mapa acompanha a posição provável da linha da costa entre o Rio de Volta e Lekki.
Em direção ao norte da linha da costa da velha Yoruba, elevações rurais aparecem gradualmente em uma sucessão de platôs baixos e atravessados por algumas linhas de baixas colinas, ou ondulações; uma cadeia de montanhas cuja direção geral é oriental e oeste se estende, a aproximadamente oito graus de latitude norte de Dahomi para a borda do norte de Ijesa onde o país é áspero e difícil. Isolado e com colinas densamente arborizadas, de 800 para 1.200 pés de altura, também é achado em Ife e Ondo.
Da história dos Yorubas, nada é conhecido, excluindo-se o que pode ser tirado da "História de Dalzel de Dahomi", 1793 dos quais apareceriam que, no começo do décimo oitavo século, todas as tribos diferentes estavam unidas, e eram governadas por um rei que residiu em Oyo Velho, chamado, às vezes de Katunga. O reino de Yoruba também parece ter sido o mais poderoso dos dois grandes reinos africanos, Dahomi e Ashanti. Entre 1724 e 1725 o Rei de Yoruba aderiu a disputa do Rei de Ardra cujo reino tinha sido subvertido por Dahomi, e enviou um exército grande, enquanto consistindo principalmente em cavalaria, para invadir Dahomi. Por falta de uma boa estratégia os Yorubas foram derrotados, e o rei de Dahomi, diplomaticamente promoveu a paz que foi concedida; em setembro de 1728, uma disputa nova surgiu e o Rei de Wyda, mandou um exército de Yoruba invadir Dahomi novamente, e uma guerra inconstante durou até 1730, quando houve outro tratado de paz. Em 1738 outro exército de Yorubas invadiu Dahomi, derrotou o rei, e capturou e queimou Agbomi, Kalia, e Zassa e adiante daquele tempo os Yorubas invadiam anualmente Dahomi, e saqueavam o país. Este estado de negócios foi trazido a um fim por um tratado de paz em 1747 pelos quais o Rei de Dahomi se comprometeu a pagar um tributo anual pesado ao Rei de Yoruba. Depois disto não há mais nenhuma referência dobre os Yorubas na História de Dalzel que só é relatada até 1791 e o tributo parece ter liquidado o conflito até os dias do reinado de Gezo de Dahomi (1818).
O governador Dalzel nos informa que quando o "Eyeos" (Os Yorubas foram chamados Eyeos ou Oyos por escritores velhos, por causa da capital deles, Oyo), estavam insatisfeitos com um rei, eles enviavam uma delegação a ele com um presente dos ovos de papagaio, e uma mensagem de que ele deveria estar cansado com os cuidados de governo, e que estava na hora dele descansar e se aposentar. Ao receber esta mensagem, o rei deveria ir para o seu quarto e, quando dormisse, uma das suas mulheres deveria estrangula-lo. Em 1774, o rei de então se recusou a isso e devolveu os ovos de papagaio. Os chefes tentaram apoiar o costume por força, e Ochemi, o primeiro-ministro encabeçou uma rebelião, mas que, foi esmagada, e Ochemi, e toda a sua numerosa família foi condenada à morte.
A razão da falta de informação sobre este grande reino africano Ocidental, é que os Yorubas não habitavam os territórios da costa marítima, pois havia uma superstição muito grande desse povo com relação ao mar e o povo era ameaçado de morte se olhasse para ele.
Traficantes de escravos e outros, que freqüentavam a Costa de Escravo durante o último século, não tinham contato com o Yorubas, e, por conseguinte não há relatos sobre eles; enquanto a literatura relativa a Ashanti e Dahomi que, como os Yorubas, viviam originalmente no interior, acabaram vindo parar na costa em função das invasões dos reinos e isto ocasionou o contato deles com os europeus.
Até onde pode ser averiguado, a força principal dos Yorubas estava em sua cavalaria, pois diziam que estava em torno de 100 mil cavalos, um exagero, pois nunca houve tantos cavalos e nem gente para isso na África Ocidental daquela época. Essa história sobre o número da cavalaria dos Yorubas foi relatada pelos comerciantes das tribos da costa que não possuíam nenhum cavalo e que ficou impressionada com a visão de alguns homens montados e exagerou na contagem. De acordo com a tradição, o seguinte método de determinar o número de homens requerido para uma expedição militar era o seguinte: uma pele de boi era colocada abaixo em frente à barraca do general, e os cavaleiros colocavam em cima disto uma sucessão de duas lanças. Por este processo. Um buraco tinha sido feito na pele, e isto dava a impressão de haver um homem montado em um cavalo, dando a impressão de que haviam muitos cavaleiros montados.
Embora como nós sabemos da História de Dalzel, Oyo ou Yoruba, era um reino poderoso já em 1724, e a história tradicional dos Yorubas vai até o fim do décimo oitavo século, um fato que mostra uma pequena confiança que pode ser colocada nas tradições de nações de que não possuíam escrita era a de que o primeiro rei de quem o arokbi, ou cronistas, tenham qualquer conhecimento é Ajagbo que parece ter reinado de 1780 em seguida e de quem o nome é preservado em orações que fixa o ritmo do tambor de ogidigbo, como segue: Gbo, Ajagbo, gbo de oba de gbo, emi de ki, gbo de osi de ki. ("Envelheça, Ajagbo, cultive o rei velho, envelheça, possa eu também envelhecer").
No reinado de Ajagbo, o reino de Yoruba consistia em quatro estados seguintes:
(1) Yoruba, cuja capital era Oyo, cidade importante; Katunga, que era situado a umas noventa milhas para o norte da cidade de Oyo. O rei deste estado cujo título era Alafin, ou Alawofin, ("Um que possui a entrada do palácio"), era quem ditava as regras para todas as tribos Yorubas.
(2) Egba que fica ao sul-ocidente do reino de Yoruba. Sua cidade principal era Ake, e disto o chefe levou o título dele de Alake ("Um que possui Ake");
(3) Ketu. Como agora, a província ocidental. Sua capital era Ketu, e disto o chefe levou o título dele de Alaketu ("Um que possui Ketu").
(4) Jebu, fica ao sul-oriente de Yoruba. Foi dividido em Jebu Remu e Ode de Jebu, cada qual tem seu próprio chefe, mas Awujale, foi considerado o chefe das duas.
Yoruba, Egba, e Ketu eram considerados reinos irmãos.
Ajagbo foi sucedido por Abiodun e dizem que foi um reinado longo e calmo de forma que o reinado do irmão dele e sucessor, Arogangan, pode ter começado escassamente antes das 1800. Foi durante o reinado de Arogangan que o reino de Yoruba começou para se separar. Arogangan tinha designado o sobrinho dele, Afunja, governador de Ilorin, à província norte-oriental que conteve um número grande de refugiados de Hausa e Afunja, e sendo ambicioso, concebeu o projeto de utilização do reino de Hausas e deu ordem para destronar o tio dele e se fazer Alafin.

Os planos dele amadureceram, e ele invadiu Oyo que foi sitiada, e Arogangan, para evitar cair nas mãos do sobrinho dele, se envenenou; mas Afunja não pôde ficar no trono, por decisão dos anciões de Oyo eleitos na monarquia Adebo, e o irmão de Arogangan, teve que se afastar para Ilorin onde ele manteve uma posição semi-independente. É suposto que estes eventos tenham acontecido aproximadamente em 1807, quando alguns Yorubas se deslocaram para o sul e colonizaram Lagos.
O primeiro chefe de Lagos foi nomeado Asipa, e é dito que pertencia à família de Alafin.
Adebo só reinou aproximadamente quatro meses, e morreu de repente, donde se supõe que foi envenenado. Ele foi sucedido por Maku que lutou contra as tribos maometanas que estavam se estabelecendo no norte, mas ele foi derrotado em uma grande batalha e foi assassinado, depois de um reinado de cerca de três meses.
A sua morte resultou em uma disputa e as rédeas do poder ficaram com o Oba-sorun, ou primeiro-ministro, que governou por cinco anos até que, Majotu, o novo rei, foi eleito e nomeado.
Ele reinou por sete ou oito anos, e foi assassinado e, por tradição, seu filho Amodo o sucedeu.
Afunja desde 1807 permaneceu em posse de Ilorin onde ele tinha buscado se fortalecer encorajado pelos maometanos e, em aproximadamente 1825, enquanto Amodo estava comprometido com as tribos invadidas do norte, ele fez guerra novamente em Yoruba. Ele capturou e destruiu várias cidades, e estava a ponto de aparentemente levar tudo quando, por alguma razão, ele foi carregado para trás da cidade de Ilorin por mercenários de Hausa (maometano) de quem ele tinha esperado ajuda para se tornar Alafin, e publicamente foi queimado vivo. O partido maometano, durante alguns anos, dominou Ilorin, e declarou que já não reconheceria um rei pagão, e elegeu um maometano ao poder supremo, e cortou a conexão com Yoruba.
Ilorin levou a dianteira na invasão maometana de Yoruba, e os Yorubas não fizeram nada. Em 1830, quando foi visitado por Lander. Oyo velha ainda era a capital de Yoruba, mas entre 1833 e 1835 foi destruída pelos maometanos, e os Yorubas, rumaram para o sul, fundando outra cidade com o nome de Oyo há aproximadamente noventa milhas sul da velha cidade. Os Egbas, tirando proveito da subversão de Yoruba, se declarou independente, mas os Yorubas, assim que eles se instalaram no novo território, os atacaram com vigor, e os expulsaram de todas as suas cidades do norte. Uma guerra inconstante durou até aproximadamente 1838, quando o Egbas abandonaram o território deles e movendo para o sul, fundaram a capital deles, Abeokuta. A cidade nova foi dividida em vários ou distritos municipais que tinham o mesmo nome dos anteriores como Ake, que ainda preserva o nome da capital de Egba velha. Embora estes eventos tenham acontecido recentemente, eles já foram revestidos de mitos; e Lisabe, o chefe que os conduziu a Abeokuta, é apresentado pelo Egbas como um gigante ou um semideus.
Ao mesmo tempo, Ibadan, uma cidade da província velha de Egba, situada a umas trinta e cinco milhas ao sul de Oyo, se declarou independente de Egba; os habitantes antigos de Egba tinham sido expulsos da cidade pelos Jebus, e foram refugiar-se em Yoruba. Outras sucessões aconteceram, e antes de 1840, o reino de Yoruba tinha sido dividido para cima nos estados independentes seguintes:
(1) Yoruba, sul de Yoruba Velha, capital, Oyo
(2) Egba, sul-ocidente de Egba Velho, Abeokuta era a capital;
(3) Ketu.
(4) Jebu.
(5) Ibadan, um estado pequeno ao sul de Oyo. Possuía uma submissão nominal ao Alafin, porque seus habitantes eram os refugiados de Yoruba, mas eram realmente independentes;
(6) Ijesa, um estado pequeno ao sul de Ilorin. O chefe foi nomeado Owa;
(7) Ife, ao sul-oeste de Ijesa. O chefe foi nomeado de Oni;
A província antiga de Ilorin em Yoruba estava agora habitada por Bornus, e Hausas, tinha uma população de 300.000.
Logo após 1840, as tribos de Ekiti, que eram os habitantes das várias cidades que estavam entre lbadan e Ijesa, e o território adjacente para o sul, formaram uma confederação que foi unida logo por Ife e Ijesa e a chefia foi eleita por esta confederação. Os maometanos de Ilorin foram os primeiros a divulgar esta coalizão, e atacou os confederados, destruindo ou anexando várias cidades enquanto Ibadan continuou intacta, e depois conseguiram anexar Ijesa. O resultado destes vários conflitos era que a confederação era subordinada às regras de Ilorin e o outro debaixo do de Ibadan.
Os habitantes das cidades que tinham sido anexadas a Ilorin pediram ajuda a Ibadan e outra guerra surgiu o que resultou na expulsão do Ilorins e o estabelecimento da regra de Ibadan em cima da confederação de Ekiti inteira. Isto aconteceu aproximadamente em1858.
Enquanto estes eventos estavam acontecendo no interior, Lagos que, como vimos, foi colonizado por Yoruba no começo do século, e tinha se tornado um lugar relativamente importante no empório de escravos. As guerras no norte que tinham sido quase incessantes como a rebelião de Afunja aproximadamente em 1807, tinham resultado na captura de muitos milhares de prisioneiros de guerra, de sexos e todas as idades, e os parentes deles, os homens que não tinham nenhuma importância local, e as mulheres que não eram se quer atraentes, eram, conforme a prática habitual, vendidos como escravos para os comerciantes. Este tráfico de escravos trouxe a Lagos um pouco de notoriedade que começou em 1815, e logo atingiu dimensões muito grandes.
Em 1836 uma luta para a sucessão começou em Lagos, e Kosoko, o pretendente legítimo, tinha sido expulso do reino pelo rival dele Oluwole que afiançou o trono para ele. Oluwole morreu, e foi sucedido por Akitoye que foi tolo o bastante para convidar Kosoko que ainda estava vivo, para, vir e viver em Lagos, apesar de ter sido banido. Kosoko aceitou o convite prontamente e logo começou a conspirar contra ele e, ao se achar suficientemente bem, ele conseguiu apoiou para se rebelar. Nessa luta, a cidade de Lagos foi queimada, e Akitoye foi banido. Ele achou um refúgio em Badagry, e para induzir o inglês a aderir a causa dele, prometeu que, se ele fosse restabelecido ao governo de Lagos, ele ajudaria a legalizar o mercado de escravos. Esta negociação chegou ao conhecimento de Kosoko, e ele despachou uma força a Badagry para atacar Akitoye que queimou a cidade e matou um comerciante inglês nomeado Gee, e destruiu muitas propriedades que pertenciam a assuntos britânicos. O oficial naval sênior na estação, determinou apoio a Akitoye contra Kosoko logo após, e Philomel, Arlequim, Níger, e Waterwitch, em novembro, 1851 entrou com 25 os barcos e todos os navios, rebocados pelo Sabujo, na laguna e rumaram para Ilha de Lagos. Como o Cônsul britânico estava no comando ele esperou que Kosoko, ao ver a força britânica, se submetesse e foram mantidas bandeiras brancas embora tivesse sido lançado um fogo de mosquetaria pesado contra os nativos. O fogo não foi devolvido, e as bandeiras não foram abaixadas até que os barcos estivessem dentro de uma milha da cidade. Neste momento várias armas saíram dos barcos, as bandeiras brancas foram descidas e os nativos mandaram fogo contra eles. O fogo dos barcos teve um pequeno efeito nos nativo que estavam bem cobertos por estacas e paredes de lama e um efetivo de cento e sessenta homens. Os ingleses se acharam em um labirinto de ruas estreitas e, de todo canto, eram surpreendidos por inimigos escondidos, e depois de perder dois oficiais que foram mortos e estarem com vários homens feridos, eles foram compelidos para se retirar aos barcos.
Este fracasso conduziu a mais um ataque em 26 de dezembro, onde uma força considerável, sob as ordens de Comodoro H. W. Bruce entrou na laguna em barcos. Os nativos ofereceram uma resistência teimosa, e tinham em posição várias armas que serviram excessivamente bem. O “Teazer” se pôs imobilizado em frente a uma bateria na qual a própria arma dele não pôde ser trazida para o ataque e, para não ser destruída tiveram que fazer uma barreira. Essa batalha terminou com uma grande perda de um oficial e treze soldados e mais quatro oficiais e cinqüenta e oito homens feridos. Os outros barcos tinham mantido um bombardeio vigoroso que foi mantido durante dois dias até as 11 da manhã e enquanto isso, uma bomba explodiu na costa e o fogo chegou à cidade. As chamas, empurradas pelo vento do mar, esparramaram-se com rapidez e o calor era tão intenso que o ataque dos nativos foi diminuindo até cessar. Pela manhã do terceiro dia, Kosoko e os seus seguidores abandonaram o lugar, e os britânicos retornaram a seus postos de origem. Na praia eles acharam os pedaços da bomba e foram capturadas cinqüenta e duas armas, mas a vitória foi comprada afetuosamente, com a perda total durante esses dois dias operações que chegou a dois oficiais e quinze homens mortos, quatro oficiais e sessenta e oito homens feridos e muitos deles severamente.
Akitoye foi restabelecido ao poder e, no dia 1 de janeiro de 1852, assinou um tratado para acabar com o tráfico de escravos e a expulsão de todos os europeus que se ocupavam disto. Sobre setembro do mesmo ano, alguns traficantes de escravos portugueses que tinham sido expulsos por causa deste tratado, voltaram a Lagos e, com a ajuda de alguns dos chefes, secretamente continuaram com o tráfico. Akitoye foi informado disto e, se esforçou para acabar com, ao que os portugueses incitaram os chefes para se rebelar e, em agosto de 1853, Kosoko que estava refugiado em Epi, encabeçou o movimento. As autoridades navais britânicas interferiram novamente em favor de Akitoye e uma tropa de marinheiros foi designada para o apoiar e, no dia 13 de agosto, depois de uma batalha difícil, Kosoko foi derrotado e os partidários dele mais uma vez fugiram para o leste.
Akitoye morreu em setembro, envenenado, conforme foi dito pelos escravos que estavam presos e prontos para serem exportados e o filho de Akitoye, Docemo, por influência britânica, foi designado o sucessor. Kosoko que tinha achado um asilo novamente com o chefe de Epi recusou aceitar este arranjo, e continuou molestando Docemo e as pessoas de Lagos até que aceitou um acordo feito em janeiro de 1854, onde ele foi reconhecido como Rei de Palma e Lekki, com a condição de renunciar a sua reivindicação à soberania de Lagos. Em agosto de 1861, Docemo cedeu Lagos para os britânicos em troca de uma pensão de £1,000 por ano, e Lagos se tornou uma posse britânica; ficou uma dúvida se a cessão foi completamente voluntária da parte de Docemo, pois durante os primeiros anos da assinatura do tratado, ele fez vários protestos.
Em 1860 uma nova guerra começou no interior. Ijaye, uma cidade importante dos Yorubas, se declarou independente do Alafin e chamou os Ibadans para os ajudar. Os Ibadans concordaram, e os Egbas também se juntaram ao movimento em apoio a Ijaye; estes aliados sustentaram uma derrota severa nas mãos dos Yorubas e lbadans, perdendo 40.000 pessoas entre mortos e prisioneiros e Ijaye foi destruída no dia 17 de março de 1862.
Até agora o Egbas tinham se mantido longe dos interesses britânicos, e grande parte do bem-estar de Abeokuta foi atribuído ao Cristianismo na África Ocidental. Este interesse datou de aproximadamente 1838, quando vários Egbas que tinham sido liberados de Leone de Sierra de cadeias de escravos capturados, voltaram para Abeokuta e pediram que pudessem ser enviados missionários a eles. Uma missão protestante estava lá estabelecida em 1848 quando um ataque na cidade foi ameaçado por Gezo, Rei de Dahomi, em 1850 e o Sr. Beecroft, o Cônsul britânico para o Bights, e Chefe Forbes, R.N., foi enviado a Agbomi para persuadir o rei à não atacar Abeokuta. A missão falhou completamente, e Gezo atacou Abeokuta no dia 3 de março de 1851, mas foi repulsado com alguma perda. A ocupação britânica de Lagos em 1861 acabou com os sentimentos amigáveis dos Egbas que se ressentiram com a proteção concedida pelas autoridades coloniais a escravos fugitivos de Abeokuta, e contestaram a obstrução do tráfico de escravos de exportação no qual eles tinham estado largamente comprometidos. Eles também parecem ter suspeitado de que a independência deles estava ameaçada e, em maio de 1861, eles enviaram alguns homens treinados na artilharia do 2º Regimento da Índia Ocidental a Abeokuta, para instruir as pessoas no uso de algumas armas que tinham sido usadas pelo Governo britânico, e oferecer ajuda para outro ataque que estava sendo planejado Dahomi. Os Egbas pediram desculpas, mas, se recusaram a recebê-los.
Em 1863, Kosoko era chefe de Palma e Lekki e voltou a Lagos, e para obter permissão, para ceder Palma e Lekki para os britânicos. O Possu, ou chefe de Epi fez objeções a esta cessão. Ele tinha certos direitos territoriais em cima destes lugares, e a cessão deles, os limitariam para longe do mar. Como ele recusou a ceder os direitos dele, uma expedição consistindo de três oficiais e 124 homens dos 2º e 3º Regimentos da Índia Ocidental, foram para Epi onde estavam acampadas as tropas, uma artilharia de foguetes de um oficial e quatorze marinheiros. Os nativos ofereceram resistência e, a força expedicionária sofreu uma perda de três oficiais mortos e vinte e oito homens feridos, mas, a cidade foi destruída. Depois disso, o chefe renunciou a toda reivindicação adicional ao território sul da laguna. Em julho, 1863, os chefes de Badagry cederam todo o seu território para os britânicos.
A guerra entre o Egbas e Ibadans causada por Ijaye continuou de uma maneira inconstante, até 1862; em 1864, depois da expulsão dos Dahomis de Abeokuta no dia 15 de março, os Jebus adotaram a política de excluir todos os estranhos do território deles e passaram a viver no isolamento completo, fechado pelas florestas deles e do resto das tribos. Uniram-se aos Egbas, e a guerra foi processada com mais vigor. Os Jebus de Ikoradu, uma cidade ao norte da laguna de Lagos, recusou-se a se unir aos Egbas, porque os interesses deles estavam ligados aos de Lagos, e que eles tinham sofrido igualmente com eles quanto à cessação do comércio causada pelos comerciantes de Egba. Como vingança, os Egbas, em 1865, despacharam a Ikoradu, um exército de 12.000 homens que sitiaram a cidade destruindo dois acampamentos fortificados. O Governo Colonial alarmado com a aproximação desta força mandou reforços para Ikoradu e advertiu os Egbas para desistirem, e ordenaram para que eles voltassem ao próprio país. O Egbas enviaram mensagens insultantes em resposta, e uma força de uns 280 homens do 5º Regimento da Índia Ocidental a Lagos que os atacou violentamente, derrubando os acampamentos e derrotando os Egbas com uma grande perda no dia 29 de março de 1865. Isto só serviu para alargar a brecha entre os britânicos e os Egbas, pois o Governo Colonial encorajava as invasões anuais de Dahomi em território de Egba; em 1867, eles expulsaram todos os missionários de Abeokuta, e cortaram todas as relações com os britânicos.
Parece que uma carta, assinada por um chefe hostil, caiu nas mãos dos Egbas que souberam que o chefe não sabia escrever, e imaginaram que ela havia sido escrita por um missionário protestante, pois reconheceram a letra, que tinha vivido antigamente em Abeokuta. Os missionários foram acusados de trair os Egbas e isto causou um tumulto popular que queriam a morte dos missionários. Só a duras penas que os chefes e anciões conseguiram convencer a população para economizar as vidas dos acusados que foram expulsos imediatamente da cidade e as casas deles e igrejas, destruídas. Em 1880, os missionários católicos romanos e franceses obtiveram licença para estabelecer uma missão em Abeokuta.
O interior continuou sendo perturbado por guerras tribais até aproximadamente 1870, quando conseguiram negociar a paz, mas, em 1877 os Egbas saquearam alguns comerciantes de Ibadan, e o Ibadans enviaram para lá um exército para vingar a afronta. Com isto, os Jebus renovaram a aliança anterior deles com os Egbas, Ijesa e as tribos de Ekiti que tinham estado até agora debaixo da regra de lbadan desde 1858 e aproveitou a oportunidade para fazer uma rebelião, um passo que foi seguido logo por uma declaração de guerra contra Ibadan por Ilorin. Os maometanos de Ilorin invadiram o país rapidamente e foram até Ofa, uma cidade situada há umas vinte milhas a nordeste da cidade de Ibadan, e os Ibadans foram obrigados a retirar o exército deles para defender o próprio território que foi ameaçado de três lados. Porém, os Egbas não foram retirados à força. Eles não queriam deixar Abeokuta desprotegida contra Dahomi que tinha o hábito de fazer demonstrações anuais em sua vizinhança ao longo de alguns anos e a luta continuou entre Ibadan, de um lado, e Ilorin, Ijesa, e as tribos de Ekiti, e Jebu, no outro.
Ibadan afiançou o apoio de Modakeke e Ife, duas cidades populosas situadas em colinas nos lados opostos de um fluxo pequeno, para o sul-oeste de Ijesa, e a guerra continuou durante alguns anos sem qualquer grande vantagem para qualquer dos lados e a guerra terminou em 1858.
A guerra era realmente só uma sucessão de escaramuças a intervalos longos e se arrastou até 1884, quando o Governador de Lagos mediou um pedido de paz. Em 1886, este pedido foi considerado por todos os combatentes, exceto Ilorin, e o Governador agiu adequadamente como mediador, resultando em uma reunião onde os representantes das tribos diferentes se juntaram em Lagos e, no dia 4 de junho, foi assinado um acordo que continha o seguinte:
(1) Ibadan, Ijesa, e as tribos de Ekiti seriam independentes entre si;
(2) as quatro cidades de Ekiti de Otan, Tresi, Ada, e Igbajo seriam concessões de Ibadan, e os habitantes poderiam sair dessas cidades quando quisessem;
(3) a cidade de Modakeke seria reconstruída em território, entre os rios Osun e Oba, para o norte de sua atual localização. Os habitantes estariam sujeitos às leis de lbadan, mas, por causa da sua nova localização, preferiram ficar sob as ordens de Ife, por estarem mais próximos e isto seria negociado depois.
Os soldados que estavam em seis acampamentos grandes, sendo o principal deles em Kiji e Oke Afesi, situado há uma milha, separado em lados opostos por um vale montanhoso ao norte de Ijesa, e o outro tinha sido ocupado pelo Ibadans, Ijesas e tribos de Ekiti.
Os lbadans tinham outro acampamento em Ikirun, aproximadamente quinze milhas a oeste de Kiji, entre os dois braços do Rio de Erinle onde eles tinham se confrontado com os Ilorins que ficaram acampados em Ofa, há dezoito milhas para o norte. Os Modakekes tinham um contingente em Ibadan de onde vigiavam Alodakeke.
Foram enviados Comissários ao interior pelo Governo de Lagos, para separar os acampamentos conforme as condições do acordo. Estes acampamentos se tornaram cidades e tinham casas de barro cercadas de onde os nativos se defendiam e já havia muitas mulheres e crianças. Os Ibadan acampados em Kiji que tinham permanecido durante sete anos no local, já tinham umas 50 mil pessoas e, pelo menos dois terços dessas pessoas eram ex-combatentes. Estes dois acampamentos foram evacuados e queimados no dia 28 de setembro de 1886, e os ocupantes deles voltaram para as suas casas anteriores; mas um obstáculo inesperado foi oferecido agora pelo Modakekes que primeiro pediu mais tempo para a mudança e depois se recusaram a mudar alegando que eles não poderiam deixar o lugar onde os antepassados deles foram enterrados. O fato era que eles temiam que, se eles permanecessem na terra de Ife, os Ifes se vingariam deles pela destruição da cidade santa e, se eles se movessem para o território de lbadan, eles os escravizariam. Diante disto, os Comissários, achando que eles realmente não iriam se mudar e manter a promessa do acordo retornaram a Lagos. Os Ilorins não estavam satisfeitos com o acordo de 4 de junho, mas os Comissários tentaram organizar uma paz entre eles e o Ibadans, e os induzis a abandonar os acampamentos deles em Ofa e Ikirun; porém, isto não teve sucesso, e a guerra entre estas duas tribos continuou.
Enquanto isso, o interior tinha estado transtornado por estas guerras nativas demoradas, e a colônia de Lagos tinha recebido extensões adicionais como Ketonu, um distrito nas costas orientais de Lagos nas Águas de Denham, a pedido dos nativos, que temiam a agressão francesa, pois essa cidade estava sob a jurisdição dos britânicos em janeiro de 1880; Appa, que ficava entre Ketonii e Badagry também foram colocadas dentro da jurisdição britânica em 1883. Através de Cartas Patentes, em 13 de janeiro de 1886, Lagos foi feita uma colônia separada, independente do governo da Costa do Ouro.
Em 1888, por causa das intrigas dos franceses em Abeokuta que diziam que tolerariam a escravidão e pagariam um subsídio anual, se o Egbas se colocassem debaixo de proteção francesa, e foram feitos esforços para diminuir os limites do território britânico e o resultado é que foram assinados artigos de arranjo para a delimitação das posses inglesas e francesas na Costa Ocidental de África em Paris, no dia 10 de agosto de 1889. O quarto artigo definiu os territórios e esferas de influência na Costa de Escravo, a linha de demarcação que é o meridiano que cruza o território de Porto Novo ao Riacho de Ajarra, e estendendo do mar ao nono grau de latitude de norte. Por este arranjo, a metade de Appa, com sua capital, e Pokra, ficaram com os britânicos, enquanto o ocidental e a outra metade de Appa, junto com Ketonu, ficou sob o domínio francês. Egba e Okeodan caíram dentro da esfera britânica e Ketu dentro do francês.
A guerra entre Ibadan e Ilorin ainda demorou até 1889 e o Sr. Millson, o. Secretário Colonial assistente foi enviado ao interior a para organizar uma reunião entre o Governador de Lagos e os soldados, para trazer estas hostilidades a um fim, mas, como os chefes se recusaram a entrar em qualquer negociação com o Comissário, a missão falhou.
Embora Abeokuta tenha sido colocada agora, definitivamente dentro da esfera de influência britânica, não havia nenhuma melhoria nas relações entre o Egbas e o governo de Lagos. Em janeiro de 1891, houve uma grande reunião política em Abeokuta onde houve, novamente, um encorajamento para os ataques anuais de Dahomi por causa da expulsão de alguns missionários europeus pelos Egbas. Um Comissário do governo foi enviado a Abeokuta em agosto, mas não alcançou nenhum resultado, e em janeiro de 1892, os Egbas e todo o seu comércio se dirigiram para a costa e para o interior, cessando todas as relações comerciais com a colônia. Uma tentativa adicional por parte do governo para abrir as negociações foi feita no mês seguinte, mas falhou completamente em uma reunião com os chefes de Egba em 13 de abril, e eles se negaram, por unanimidade, a reatar relações comerciais com Lagos.
Enquanto os negócios tinham ficado neste estado insatisfatório na porção ocidental da esfera de influência britânica, uma disputa com os Jebus tinha surgido ao leste. Os Ejinrin, situados há dez milhas a leste de Epi aproximadamente, teve o comercio fechado pelo Awujale de Ode de Jebu por causa de algumas discordâncias com as pessoas de Lagos; entretanto, em outubro de 1890, por causa de representações feitas pelo governo de Lagos, foi reaberto formalmente pelo Governador e pelos representantes enviados pelo Awujale. Os Jebus fizeram esta concessão de má vontade, pois não queriam nenhuma intervenção na política deles e queriam excluir os estrangeiros do interior do país deles. Por conseguinte, em maio de 1891, o Governador Suplente, Capitão Denton, entrou com uma escolta de Hausas para proceder em uma missão a Ode de Jebu, com o objetivo de negociar a abertura do país para o comércio. Os Jebus se recusaram a recebê-los no território deles, pois temiam ações hostis. O Awujale não só recusou tratar, mas rejeitou os presentes oferecidos em nome do Governo britânico, temendo que, se os aceitasse, seria um sinal de fraqueza da parte deles.
O Governador foi instruído para exigir uma desculpa dos Jebus para o insulto e insistir no assunto. O Awujale seria informado que, se estas condições não fossem aceitas por bem, teria que ser por mal. Em dezembro de 1891, este ultimato foi entregue a Awujale por um oficial da Polícia distrital de Lagos, e o Awujale enviou representantes até Lagos com autorização para pedir desculpas e assinar um tratado.
Em janeiro, 1892, os representantes chegaram, fizeram um pedido de desculpa formal, e assinaram um acordo para manter o comércio irrestrito para as pessoas e bens no território de Jebu; o Governo da Colônia pagaria para os Jebus, uma soma anual de £500.
Por pouco tempo os Jebus observaram os compromissos do tratado e um sócio da Igreja da Sociedade Missionária foi autorizado a atravessar Ode de Jebu a caminho do interior; logo depois, no mês de fevereiro, outro missionário tentou atravessar a capital, mas por estar doente, foi mandado de volta. Uma comitiva de Ibadan que buscavam atravessar para o norte também foi convidada a retroceder. O Awujale afirmou que os Ibadans tinham sido insolentes, mas era evidente que esses homens estavam seguindo ordens para manter a política de Jebu velha no isolamento. Os Jebus eram uma nação turbulenta e orgulhosa, e eles consideravam uma infâmia o modo como foram obrigados a abrir o comércio, pois tinham sido extorquidos e ameaçados. Por causa destas brechas do tratado, o Inspetor Geral da Polícia distrital de Lagos foi enviado ao Awujale para pedir explicações. Ele teve que ficar em Itoike, porque não foi permitido a ele se aproximar de Awujale que mandou dizer que ele não desejava falar com o Governo de Lagos.
O Governo autorizou o emprego da força agora. Oficiais do serviço especial foram mandados sair da Inglaterra, dois oficiais e 155 homens da Polícia distrital da Costa de Ouro, três oficiais e noventa e nove homens do 1º Batalhão Regimento de Índia Ocidental foram despachados de Leone de Sierra. Estes, com os 165 da Polícia distrital de Lagos, os Ibadans que tinham um contingente de 100 homens, fazendo uma força lutadora total de cerca de 500. Lagos estava sob as ordens do Coronel F.C. Scott, e em 12 de maio, desembarcou em Epi. No dia 16 a coluna avançou de Epi e no dia 18 acampou em Majoda.
Na manhã seguinte os Jebus foram encontrados em posição, prontos para defender a passagem do Rio Osun, e uma ação começou às 7 da manhã. O fogo dos Jebus varreu os barcos antes mesmo de entrarem no rio, pois os Jebus estavam escondidos entre os arbustos que eram pesados e bem sustentados. Foi dito que eles tinham oferecido um sacrifício à deusa do rio para recrutar a ajuda dela contra os invasores, e isto teve um efeito poderoso nas mentes supersticiosas da polícia distrital que durante uma hora inteira eles não puderam entrar na água; os índios Ocidentais que tinham ficado na reserva receberam ordem de avançar pelo rio Osun e tirar o inimigo dali. Eles conseguiram e, logo após as 10 da manhã eles acharam um acampamento dos Jebus que ficava entre o rio e a aldeia de Magbon que tinha sido ocupado na noite anterior. Calculava-se que haviam de 5.000 a 6.000 pessoas incluindo as mulheres e os não combatentes. A passagem do rio foi disputada por aproximadamente 3.000 homens. Supõe-se que as perdas de Jebu foram severas, mas a força britânica teve só três mortos e vinte e quatro feridos.
No dia 20 de maio os Jebus ergueram uma bandeira branca, e a força ocupou a cidade de Ode de Jebu no mesmo dia, sem resistência. Eram aproximadamente quatro milhas de circunferência, defendida por uma parede de lama com 15.000 habitantes que se renderam. Awujale e os imediatos dele fugiram. No dia 25 de maio, o Governador chegou de Lagos para administrar as negociações com o Awujale que se submeteu a eles e alegou que os homens jovens tinham lutado contra a sua vontade e ordens; nos dias 30 e 31, a força expedicionária, com exceção de três oficiais e 140 homens da Polícia distrital, permaneceu em Ode de Jebu que agora pertencia a Lagos, e uma coluna marchou para Sagamu e Ikoradu, e outra por Itoike.
O comércio no leste foi aberto, mas o de Egba ainda permanecia fechado, e o governo já pensava que uma expedição militar contra Abeokuta seria necessária. A facilidade com que o Jebus foram derrotados foi vista pelos nativos como um castigo, pois eles tinham a fama de serem uma tribo muito poderosa. Isto deixou uma impressão profunda na mente nativa, e muitos assuntos britânicos que dependiam do itinerário Egba-Lagos, fez com que os chefes de Abeokuta mantivessem uma atitude hostil para não perder a independência como aconteceu em Egba. Por conseguinte, os Egbas declararam a vontade deles em receber o Governador, Sr. Carter para negociar algum arranjo, e em 18º de janeiro de 1893, um tratado foi assinado em Abeokuta. Os Egbas colocaram todas as suas exigências com relação aos assuntos britânicos para o Governador e assim, estabeleceram a liberdade de comércio completa entre o país de Egba e Lagos, e nenhuma rota de comércio seria fechada sem o consentimento do Governador. Eles também prometeram abolir o sacrifício humano, e não ceder qualquer porção do território de Egba a um poder estrangeiro sem o consentimento dos britânicos. Por outro lado, a Grã Bretanha garantiu que deveria ser reconhecida a independência de Egba, e nenhuma anexação de qualquer porção disto seria feita sem o consentimento das autoridades de Egba.
Há uma diferença considerável entre os Yorubas e outras tribos. Eles têm os sentimentos de nacionalidade e patriotismo o que era desconsiderado pelo Governo Colonial, mas, apesar disto, eles não perderam a sua superioridade. Eles eram comerciantes mais espertos e mais sociáveis, e isto lhes dava mais soberania do que tinham as pessoas de outras tribos dos outros três grupos de cognato.
Eles viviam em uma pequena floresta onde a comunicação com os demais era fácil, e o território era aberto e, além disso, tinham acesso a vários rios. Ao invés de serem espalhados em vários locais impenetráveis, os Yorubas preferiram viver em cidades próximas para se relacionar com mais facilidade com as outras.
Não há dúvidas quanto aos instintos sociais superiores deles que os fizeram viver em cidades primeiro formando suas gerações já acostumadas a esse tipo de vida.
Os Yorubas eram considerados mais inteligentes, e nós podemos dizer seguramente, que o intelecto deles era mais desenvolvido e com isso foi amolecida a aspereza da vida selvagem; eles ficaram mais sociáveis entre eles mesmos e, até hoje, são certamente as pessoas principais na África Ocidental.
Obs.: Lembro que este texto foi traduzido e qualquer comentário foi feito pelo autor.

Um comentário:

Qual é o meu lugar no mundo? disse...

Este blog foi desativado e atualizado para
http://rainhaaugustta.blogspot.com.br/